BASE LUNAR DA ESPIRITUALIDADEAcompanhando Dr. Bezerra de Menezes, Adelino e Jerônimo rumaram para o satélite terrestre. Entendendo que as modificações climáticas se realizam em obediência a leis naturais que visam garantir o progresso de todos, não restava dúvida a respeito de serem, os tempos atuais, aqueles em que a transição planetária se acentuava. O trajeto na companhia do médico amigo era marcado pelas emoções do encontro recente com aquela que tanto Amor derramava em favor da Humanidade.

Quebrando o silêncio natural, Jerônimo tocou o assunto: Querido amigo, como interpretar as lágrimas espontâneas da Mãe Devotada? Poderia a angústia residir no coração puro de um ser tão superior?
Tocando-lhe o ombro com carinho, Bezerra respondeu: Sabe, meu filho, uma das mais belas demonstrações de Amor Verdadeiro é sofrer pelo outro, mesmo que tal sofrimento esteja acompanhado pela serenidade dos que sabem que o outro necessita sofrer para despertar. O esforço de um pai para salvar o filho que ama não dispensa, muitas vezes, o recurso drástico da amputação do membro apodrecido para garantir a sobrevivência do corpo. No entanto, por mais que se alegre por estar salvando a vida do filho, isso não impede que o pai sofra por sabê-lo mutilado a partir de então. Por isso, quanto mais cresce o Amor Verdadeiro no coração das almas, mais elas entendem as necessidades dos semelhantes e mais sofrem por seus destinos infelizes, sobretudo por compreenderem que, pela indiferença, pelo descaso, pela irresponsabilidade deles mesmos, elegeram a coroa de espinhos, aumentando o peso da própria cruz.

Estamos chegando no satélite terreno onde, por graça da Misericórdia, já se encontram recolhidos todos os seres que, até este momento foram retirados do campo magnético diretamente ligado a terra, ceifam os frutos dolorosos decorrentes de longos séculos e até mesmo de milênios de sementeira indiferente. Não obstante, tais destinos poderiam ter sido esculpidos de outra maneira uma vez que não lhes faltaram informações, conselhos, demonstrações e alertas para que trilhassem a estrada reta, evitando o rosário de lágrimas das trilhas tortuosas.

Observemos como estão nossos irmãos de humanidade, compelidos a viver encerrados em em corpo celeste como a Lua, no aguardo do traslado para a casa nova que se aproxima. O ambiente espiritual da Lua estava transformado pelo constante abastecimento de entidades retiradas das esferas vibratórias ao redor do núcleo da Terra. Por isso, seu clima psíquico era lastimável. Multidões em movimento como
manadas animalescas se atritavam, agarrando-se aos antigos vícios e condutas que caracterizavam seus interesses comuns. Violência e perversidade se conjugavam no entrechoque do ódio, do desejo do mal, da revolta e do crime. Compostas em sua maioria por espíritos impuros, aqueles cujas características predominantes são o desejo do mal, a indiferença ao Bem, a inclinação para todos tipo de vício e o combate às virtudes, tais multidões se nutriam dos defeitos que as faziam algozes de si próprias. Inconformadas com o afastamento compulsório do ambiente terreno de onde julgavam que jamais seriam banidas, estas entidades se hostilizavam mesmo quando pareciam estar unidas pelo pavor do desconhecido.

Aquelas almas sabiam, que algo muito grave lhes ocorria, e o temor do futuro lhes repercutia nas condutas desesperadas. Seres monstruosos, animalescos, tirados das entranhas da Terra, como que libertados de cadeias lodosas, se arrastavam, selvagens, confusos e violentos diante da nova condição. O calor e frio, a escuridão e luz promoviam modificações extremas nas sensações físicas e psíquicas de todos. Entidades menos atrasadas, pertencentes a outros graus de evolução, também fugiam dos ataques de seus irmãos de sofrimento, migrando para outras regiões do satélite, como andarilhos aterrorizados que nunca houvessem encontrado um pouso seguro.

Por toda parte a desolação e o desespero e a loucura já se havia instalado em cada um deles. Ao longe, nascendo no horizonte lunar, o Planeta Azul, o berço generoso que tanto sofrera com os ataques da ignorância, que tanto suportara o peso explorador daqueles indiferentes espíritos que, que seriam instrumentos para a evolução da alma.

Magnatas ególatras, governantes corruptos, ditadores despóticos, líderes religiosos indignos, conquistadores ambiciosos, magistrados venais, cientistas doentes da inteligência, homens e mulheres inferiorizados pelos hábitos pecaminosos de sua vida pessoal, por toda parte se viam assustados na companhia de outros seres ainda mais grotescos. Haviam sido os gozadores do mundo, os que conquistaram as
recompensas terrenas, os que cultivavam o Bezerro de Ouro que, finalmente, encontravam-se no reino que tanto lhes havia seduzido.
Poderemos supor que estejam esquecidos da Misericórdia do Universo. Vendo-os assim, como alucinados em debandada sem rumo, o coração que ama se condói até as mais profundas fibras. No entanto, estamos presenciando a amputação para garantir-se a vida e o crescimento da alma.

Não parece doloroso presenciar esses momentos de destruição para a reconstrução? Todos os Espíritos disponíveis na Terra, neste instante, se multiplicam para a implantação do Reino de Deus no coração das criaturas. Nesse mesmo momento, filhos e filhas, almas dos dois lados da vida se desdobram para fazer acordar para o Bem o pensamento dos indiferentes, para tocar a sensibilidade dos filhos de Deus no sentido de escolherem o bom combate, atacando as mazelas íntimas que têm trazido para cá todos estes infelizes.

Culminando a obra da evolução dirigida pelo Amor do Cristo, um sem número de homens e mulheres no mundo de carne se empenham na difusão da mensagem renovadora, em todas as crenças da Terra. Inspirados por seus tutores invisíveis, muita gente gasta os próprios recursos materiais na multiplicação da mensagem edificante, sacrificam seus interesses e suas necessidades na faina de cooperar, como
luminosos agentes encravados no mundo escuro e violento, visando humanizar a própria humanidade.

Meios de comunicação variados transportam o chamamento, como o resultado do progresso tecnológico propiciado por Jesus para que, antes do final dos tempos o seu Evangelho, a Boa Notícia, fosse pregada como um chamamento amistoso por toda a Terra. Somente depois disso é que não seria mais possível improvisar medidas salvadoras. Estamos no término desse ciclo, tentando multiplicar em tempo as informações da Consolação Celeste para que os fiéis adeptos da Verdade lhe correspondam ao chamado, não por imaginar que estão fazendo um favor a Deus, mas, sim, por, entenderem que estão aceitando as medidas indispensáveis para a Salvação das próprias almas.

Essa é a seleção feita pelas criaturas quando, ao invés de modificarem seu caráter, dão mostras de que são insubmissas e arrogantes,
desconsiderando todos os alertas como coisas sem sentido, porque não desejam modificar suas rotinas. Não resta à lei do Universo, então, outro caminho senão apresentar-lhes o fruto de suas deliberações. Para os que estão aqui, que tiveram a sua última oportunidade e não a aproveitaram, o tempo de acertar e errar chegou ao fim. Precisam, agora, receber o fruto de suas escolhas para que aprendam a eleger
melhor daqui para diante.

Para os seres que ainda estão na Terra, recebendo a última oportunidade, podem ainda contar com alguns segundos para tentarem reverter os valores da Nova Humanidade com ânimo sincero, arrependimento pelos erros cometidos, com esforço de superação, evitando o estágio na Lua como também a transferência para outro destino que, é bem mais doloroso e exigente do que o próprio estágio lunar.
A revelação da existência de algo pior do que aquele que tinham sob os próprios olhos e que os feria até as fibras da alma.

Como assim, Doutor? Quer dizer que tem um destino bem mais grave do que esse? Porventura haverá coisa pior do que esta que estamos vendo?
Dr. Bezerra tomou um rumo na direção do Cosmos enquanto ia pensando acerca do futuro.

Fonte: Trecho extraído do Livre “HERDEIROS DO MUNDO NOVO” Autor: Lúcios Espirito. Mediu: André Luiz Ruiz
Paginas: 190 a 197
Imagem: https://www.astrobitacora.com/la-nasa-planea-construir-un-campamento-base-lunar/

Leitura complementar:

Herdeiros do novo mundo FINAL DOS TEMPOS, SALVAÇÃO, COMPORTAMENTO HUMANO, ROTINAS RELIGIOSAS, SOCIAIS, FAMILIARES, ESCOLHIDOS, ELEITOS, EXILADOS, CONDENADOS… Depois dos romances “DESPEDINDO-SE DA TERRA” e “ESCULPINDO O PRÓPRIO DESTINO”, Lucius completa esta TRILOGIA TEMÁTICA apresentando seu novo livro, no qual os Espíritos Bezerra de Menezes, Jerônimo e Adelino oferecem…
Autor: Léon Denis
Herdeiros do novo mundo
Terra das Araras Vermelhas A Atlântida existiu! Foi a Terra-Mãe de civilizações como a indú, a egípcia, a grega, os árias, os incas, maias e astecas, os peles-vermelhas americanos etc. o autor desta fascinante história, verídica em todos os detalhes, levanta o véu da História não contada da terra brasileira, e nos leva a conhecer intimamente a vida da colônia atlante estabelecida há 40.000 anos no litoral do Estado do Espírito,..
Edição Português – por Roger Feraudy (Autor)
Terra das Araras Vermelhas
2001: Uma Odisseia no Espaço Nos primórdios da humanidade, quando a fome e os predadores ameaçavam a raça humana, chega à Terra um objeto inusitado, inacessível à limitada compreensão da mente pré-histórica, mas que influencia os homens a descobrir coisas que permitem a sua própria evolução. Milhões de anos depois, a descoberta de um monólito soterrado na Lua deixa…
Autor: Edição Português – Arthur C. Clarke (Autor)
2001: Uma Odisseia no Espaço
https://www.apometriaalvorecer.org.br/wp-content/uploads/2022/01/BASE-LUNAR-DA-ESPIRITUALIDADE.jpghttps://www.apometriaalvorecer.org.br/wp-content/uploads/2022/01/BASE-LUNAR-DA-ESPIRITUALIDADE-300x300.jpgAdminCienciaEspiritualidadebase,Espiritualidade,lunar
Acompanhando Dr. Bezerra de Menezes, Adelino e Jerônimo rumaram para o satélite terrestre. Entendendo que as modificações climáticas se realizam em obediência a leis naturais que visam garantir o progresso de todos, não restava dúvida a respeito de serem, os tempos atuais, aqueles em que a transição planetária se...